Busca Avançada
Notícias de Ubatuba
Entrevista - 26/12/2017


Associação de Ubatuba participa de Expo Catadores 2017
Coco e Cia leva experiência de coleta e triagem de materiais recicláveis

Sob o slogan “Juntos pela reciclagem popular: repense, renove, recicle”, aconteceu em Brasília, no Distrito Federal, entre os dias 11 e 13 de dezembro, a oitava edição da Expo Catadores. Ubatuba esteve presente no evento com a Associação de Reciclagem do Coco Verde e de Catadores de Materiais Recicláveis de Ubatuba (Coco e Cia.), representada por Gilda Goddoy.

A Expo Catadores é um dos principais eventos realizados na temática de resíduos sólidos urbanos e educação ambiental do Brasil, um lugar para intercâmbio de conhecimentos, exposição de projetos sociais, iniciativas empresariais e tecnologias que visam fortalecer a presença qualificada dos catadores de materiais recicláveis na cadeia da reciclagem.

A Coco e Cia reúne atualmente oito catadores, a maioria mulheres, que trabalham coleta e reciclagem de resíduos sólidos de Ubatuba na estação de transbordo da Prefeitura de Ubatuba. Como a infraestrutura de coleta é pequena, a associação tem tem focado sua ação junto a alguns condomínios, quiosques e marinas, como a Kauai, que recentemente recebeu o selo Bandeira Azul de sustentabilidade ambiental, além dos diferentes eventos organizados na cidade.

“Atualmente conseguimos separar e vender cerca de 10 toneladas ao mês de materiais, o que resulta em uma renda média de 680 reais por mês para cada catador e catadora”, explica Gilda.

Durante a Expo Catadores, a Coco e Cia relatou em diferentes grupos de trabalho a experiência dos catadores organizados de Ubatuba e as perspectivas de ampliação ainda maior das possibilidades de geração de emprego e renda com a transformação da associação em cooperativa.

“Tivemos a oportunidade de discutir parcerias diversas e aprender muita coisa. Por exemplo, que há estados como o Pará e o Alagoas onde algumas indústrias têm desconto do ICMS porque reaproveitam o material reciclado. E também sobre a legislação nacional, que determina que até 2021 nenhum produto reciclável poderá ser destinado a aterro. Foi em encontro muito positivo”, conta Gilda.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social / PMU 
Fonte: Secretaria de Comunicação Social / PMU